Marcas Própria: Preço ou Qualidade?

Por Hipersuper a 29 de Março de 2018 as 10:45

Por Robertus Lombert, Partner da IPLC para Portugal

Marcas próprias: Preço ou qualidade? É, talvez, uma das perguntas mais comuns sobre marcas próprias. Não há dúvida que o berço da marca própria está baseado num itinerário de procura do preço mais baixo, de tal forma que as embalagens inicialmente eram brancas, até para poupar custos na embalagem (é aí que surge o termo “marcas brancas”).

Numa segunda fase, muitos super e hipermercados aperceberam-se que manter o foco no preço mais baixo complicava a realização de uma boa margem. Simultaneamente, aperceberam-se que a maior parte das pessoas quer ter um produto de boa qualidade por um bom preço. Foi aí que nasceram os conceitos “budget private label” (primeiro preço) e “private label” (boa relação preço/qualidade).

Por terem um sortido mais pequeno, os discounters apostaram unicamente na boa qualidade dos seus produtos de marca própria e, para mim, essa foi uma das grandes razões do seu êxito.

Tanto a grande distribuição como os fabricantes sentem no dia-a-dia a pressão para baixar o custo dos produtos e, neste contexto, a tentação de baixar a qualidade do produto é grande.

Existe uma famosa história (não sei se é verídica) que reflete bem esta situação. Um fabricante que já estava a fornecer há muitos anos um supermercado foi a uma reunião para apresentar uma nova amostra e perguntou ao distribuidor se estava interessado em começar a vender aquele produto de qualidade superior. O comprador experimentou o produto e adorou. Grande foi o espanto quando o fabricante lhe respondeu que era a receita inicial do seu produto, quando começaram a trabalhar. Devido à pressão do preço, em mútuo acordo, decidiram sucessivamente reduzir a qualidade do produto original.

A luta por ter um produto a baixo custo é grande porque no dia-a-dia a pressão pelo preço também é grande. Mas, quem, enquanto consumidor, gosta de um produto “mais ou menos”? Todos nós gostamos de produtos de boa qualidade. Sinal disto, é o facto de vermos produtos com uma qualidade boa ou até superior a conquistar consumidores. Afinal, quem não gosta de produtos bons, desde que sejam acessíveis?

Fica, então, a grande pergunta: Preço ou qualidade? Na minha opinião, no mercado atual, nem preço nem qualidade. Uma boa relação preço/qualidade é o ponto de partido para ter êxito. Hoje, já estamos a trabalhar no ponto seguinte: confiança. Cada vez mais o negócio de marca própria está baseado na confiança. Mais até se estivermos a falar em marcas próprias premium. Que confiança tenho na marca da loja? Qual a minha experiência com as suas marcas próprias? A relação preço/qualidade pode ser um instrumento para ganhar confiança e o objetivo final tem que ser criar confiança.

O oposto também é válido. Um produto com inferior qualidade pode pôr em causa toda a confiança numa marca, tal como um mal-entendido numa loja pode pôr em causa toda a confiança e gosto que tenho por uma determinada marca própria. Desta forma, na minha opinião, o que conta na marca própria não é o preço nem a qualidade (para ter êxito estes atributos têm que ser garantidos) mas, sim, a confiança, no produto e na insígnia.

Previous Grupo Dimed vai abrir 40 farmácias em 2018
Next DMCard, de cartões private label, atinge marca de dois milhões de emissões

You might also like

Notícias

Ofertas nos supermercados têm preços muito abaixo da inflação

Produtos de limpeza vendidos em promoção esta semana custam até 20% mais barato que um ano

Notícias

Bancos private label são tendência para empresas que buscam cortar custos e expandir produtos

Fonte: www.jornalcontabil.com.b – Rede Jornal Contabil  – Por Alex Silva   Por meio de plataformas customizáveis, companhias de outros setores vão começar a oferecer serviços bancários Na esteira da popularização dos bancos

Comércio varejista

Amazon agora vende até colchões com marca própria

Fonte: Tecnoblog – Por André Fogaça A Amazon vende de tudo em seu site internacional, indo de produtos eletrônicos, passando por itens de mercado e até mesmo para remédios. A novidade

Plástico, borrada e não metálicos

Múltis planejam reciclar 100% das embalagens

Fonte: Valor Econômico – Por Cibelle Bouças A Nestlé anunciou ontem um compromisso global de tornar 100% de suas embalagens recicláveis ou reutilizáveis até 2025. A intenção é que nenhuma