Banco digital BBNK recebe aporte para investimento para que empresas não financeiras tenham seu próprio braço financeiro com Marca Própria

Fonte: Reuters

SÃO PAULO (Reuters) – O BBNK, banco que permite que empresas não financeiras tenham seu próprio braço de serviços bancários, está recebendo um aporte de até 60 milhões de reais apoiada pela empresa de tecnologia BRQ e o fundo brasileiro de capital de risco Parallax Ventures. Criada neste ano por quatro ex-executivos de instituições financeiras, o BBNK tem como alvos empresas interessadas em oferecer serviços bancários, mas dentro de seus próprios ambientes e com marca própria, num modelo mais abrangente do conceito de white label. “As empresas oferecem os serviços financeiros como parte de seu próprio ambiente e com a sua cara, mas nós cuidamos de tudo”, disse à Reuters o presidente e sócio-fundador do BBNK, Yan Tironi. Dentre os cerca de 60 clientes atuais do banco estão a corretora de seguros Wiz, o market place de moda Dafiti, a startup de beleza Singu, além de outras grandes companhias de varejo, indústria e comércio.

O negócio desponta no momento em que diversas varejistas de grande porte no país têm feito movimentos para também terem seus braços próprios de pagamentos e outros serviços bancários, enquanto o Banco Central sinaliza regulação para o open banking, sistema que dá ao usuário o poder sobre seus dados financeiros e que deve trazer para o mercado uma infinidade de potenciais concorrentes aos grandes bancos.

Lojas Americanas, BR Distribuidora, Carrefour são apenas alguns casos de empresas de varejo que compraram ou criaram negócios de serviços financeiros nas últimas semanas.

No caso do BBNK, o objetivo é atender empresas interessadas em ter o mesmo tipo de capacidade, mas que preferem não desenvolver uma estrutura própria. Atualmente, o porte médio das empresas clientes tem 50 mil a 150 mil contas, algumas com faturamento anual acima de 1 bilhão de reais.

“Nosso plano é atingir algumas centenas de grandes empresas ou arranjos no país, mas que tenham capacidade de permitir a abertura de milhões de contas”, disse outro sócio-fundador do BBNK, Mario Cavalieri. A meta dos sócios é de superar a marca de 1 milhão de contas de pagamentos já no ano que vem.

A expectativa dos sócios é de que a ampliação do leque de produtos vai ajudar a expandir a base naturalmente, à medida que fazem parcerias, inclusive com bancos para oferta de serviços como crédito e seguros. A chegada da Parallax, cuja equipe é especializada em crédito pessoal, e da BRQ, de serviços de TI para o setor financeiro, são parte desse movimento.

Previous
Next Pelo menos 1/3 dos produtos vendidos na Europa são de Marca Própria

You might also like

Comércio varejista

Amazon agora vende até colchões com marca própria

Fonte: Tecnoblog – Por André Fogaça A Amazon vende de tudo em seu site internacional, indo de produtos eletrônicos, passando por itens de mercado e até mesmo para remédios. A novidade

Alimentos

Orgânicos devem faturar 20% mais este ano

Fonte: IsteÉ O faturamento do setor de alimentos orgânicos alcançou R$ 3,5 bilhões em 2017 no mercado interno e mais US$ 210 milhões em exportações, números 20% superiores aos do

ABMAPRO na mídia

Cosméticos de marcas próprias estão em alta

Neide Montesano, presidente da ABMAPRO (Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização), foi destaque no Jornal da Band em matéria sobre o crescimento das marcas próprias em farmácias. https://noticias.band.uol.com.br/jornaldaband/videos/2016/07/05/15918503-cosmeticos-de-marca-propria-estao-em-alta.html  

Notícias

A aposta frustada de Warren Buffett

No ano passado, empresa de Buffett, Berkshire Hathaway, perdeu US$ 2,7 bilhões com a Kraft Heinz; para ele, companhia pagou em “excesso” ao assumir dívida de gigante. O megainvestidor usou