Varejo farmacêutico tem faturamento de R$ 110,08 bilhões

O faturamento das vendas de medicamentos e de produtos em farmácias e drogarias cresceram no Brasil. Mesmo com a lenta recuperação da economia, o desempenho do setor foi positivo. Esta foi a conclusão da pesquisa “Farmácias e Drogarias: Mercado e Tendências”.

Todos os cerca de 5,5 mil municípios brasileiros possuem farmácias e drogarias. Com o bom desempenho do setor, as fusões e aquisições de empresas se tornam cada vez mais comuns. Nas maiores cidades do país, as grandes companhias predominam. Já nos pequenos municípios com até 50 mil habitantes, as lojas independentes são maioria.

De acordo com o estudo, as lojas de rua são maioria no segmento, seguidas por shopping centers, galerias, supermercados, aeroportos e rodoviárias. Elas comercializam muitos outros produtos além de remédios, como cosméticos, itens médicos e ortopédicos, artigos de higiene pessoal. Em algumas, o mix inclui até mesmo alimentos, baterias e pilhas, recarga para celulares, etc.

A maioria das farmácias e drogarias estão na região Sudeste, com 42,6% do total, seguida pelo Nordeste, com 24%; Sul com 16%; Centro-Oeste 9,9%; e Norte com 7,5%. As unidades do setor geraram, até julho de 2019, 167.802 mil empregos, número 2,8% maior que o total registrado de janeiro a dezembro do ano passado.

De acordo com dados da IQVIA publicados no Relatório Anual 2018 do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), o setor faturou R$ 103 bilhões em 2018, valor 8,31% maior em comparação com 2017. No período de 2014 e 2017, as vendas cresceram 44,89% e este ano a expectativa é de que o desempenho mantenha-se em alta já que até setembro de 2019 o faturamento chegou a R$ 110,08 bilhões.

A líder do setor segundo a Abrafarma é o grupo Raia Drogasil, mantendo-se com o maior faturamento há oito anos. A rede Drogarias Pacheco São Paulo está na segunda posição desde 2011, seguida pela Farmácias Pague Menos.

Os remédios ainda são os principais produtos. Segundo a pesquisa, entre agosto de 2018 e julho de 2019, eles responderam por 67,67% das vendas. A escolha do local de compra pelo consumidor ainda é determinada pela farmácia que oferece os medicamentos pelo menor preço.

*Imagem reprodução

Previous Decathlon lança IMVISO, sua marca especializada em futsal
Next Lidl deixa de ter sacos de plástico para transporte de compras

You might also like

Destaques

Banco digital BBNK recebe aporte para investimento para que empresas não financeiras tenham seu próprio braço financeiro com Marca Própria

Fonte: Reuters SÃO PAULO (Reuters) – O BBNK, banco que permite que empresas não financeiras tenham seu próprio braço de serviços bancários, está recebendo um aporte de até 60 milhões

Comércio varejista

Telhanorte inaugura novo segmento de loja em São Paulo: Telhanorte Já

De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), o faturamento das indústrias de materiais de construção cresceu 4% em setembro, na comparação anual, e

Notícias

Carrefour quer duplicar participação de orgânicos nas vendas até 2020

Fonte: Estadão Conteúdo O Carrefour Brasil lançou nesta segunda-feira, 1, um programa para fomentar as vendas de produtos saudáveis, incluindo itens de produção regional e orgânicos. A companhia estabeleceu uma

Comércio varejista

Walgreens faz mudanças em marcas próprias para impulsionar vendas

Por Imprensa Mercado & Consumo Nos últimos três anos, a Walgreens tem feito mudanças em suas marcas próprias, colocando uma ênfase maior em categorias como saúde e beleza, ao mesmo tempo