Refeições prontas no supermercado ganham apelo saudável e até gourmet

Fonte: DCI – Por João Vicente Ribeiro

Demanda crescente por pratos de consumo imediato tem feito com que as redes invistam na ampliação dos espaços físicos e também na diversificação do portfólio de kits nas gôndolas

O aumento da demanda por refeições prontas tem levado redes de supermercados a diversificar as linhas de kits alimentícios, com opções mais sofisticadas, e ampliar os espaços físicos para instalação de rotisserias. No público-alvo, estão universitários e trabalhadores de centros urbanos.

“Desde 2015, temos trabalhado com as grandes redes do varejo para o desenvolvimento de pratos individuais, quentes e frios. Nosso fornecimento para os supermercados ainda é muito grande, mas as encomendas das empresas vêm crescendo também”, disse o proprietário da rede distribuidora e restaurante Sassa Sushi, Alexandre Saber, ressaltando que o volume de vendas desses kits subiu 200% desde 2016.

Ele explica que, conforme a parceria com os varejistas foi se desenvolvendo, as embalagens foram reformuladas. “Passamos a oferecer embalagens para refeições individuais e a colocamos na horizontal, dentro das gôndolas, para a comida não se mover dentro da bandeja.”

Além disso, Saber relata que essa tendência está migrando gradualmente dos grandes centros urbanos para cidades do interior e litoral do Estado de São Paulo. “Nossas operações já estão em Santos, Guarujá e Bertioga. Consideramos que o movimento de expansão para outras regiões se dará de forma orgânica e conforme a demanda, inclusive dos pequenos supermercados”, esclarece.

Ainda de acordo com o executivo, a instalação de geladeiras e a entrega dos kits por meio de bicicletas têm auxiliado nas vendas.

Na avaliação do gerente geral da rede de supermercados Hirota, Hélio Freddi, a demanda de universitários que buscam refeições rápidas no período do jantar é um dos movimentos que sustentam a aposta nessa categoria de produto. “Atualmente, a participação da venda desses kits representa 5% da receita dos supermercados. Dentro do segmento express , essa fatia salta para 40% do volume total comercializado”, diz Freddi.

O executivo conta que os ingredientes utilizados para o preparo desses pratos são provenientes de uma fábrica própria. “Cerca de 80% dos nossos pratos vêm dessa unidade fabril, inclusive a comida japonesa. Os outros 20% compramos de outros fornecedores. Temos uma produção estimada de 3 toneladas de alimentos por dia”, destaca, acrescentando que esse montante é distribuído para as 36 lojas da rede no Estado de São Paulo.

Com uma estratégia similar, a rede de supermercados Natural da Terra aposta na oferta de linhas de saladas para impulsionar as vendas desse segmento de produto.

“Desenvolvemos uma linha de saladas da estação em copos, em que os clientes podem montar como desejarem e levar para casa ou trabalho”, explica a gerente da área de nutrição da rede, Juliana Costa.

Ela afirma que, devido às altas temperaturas do verão, o portfólio da rede tem opções de pratos com salmão. “O consumo dessa categoria de produtos tem sido muito frequentes nas unidades onde há balcão. Além disso, vemos a demanda forte em regiões com grande concentração de escritórios”, complementou Juliana. O tíquete médio da categoria varia entre R$ 18 e R$ 25.

Rotisserias

Um dos exemplos de rede do varejo alimentar que tem apostado nos espaços físicos para o consumo de pratos prontos é o grupo GPA.

“Todas as rotisserias das lojas das bandeiras Extra e Pão de Açúcar estão preparadas para atender o consumidor, seja no seu dia a dia com produtos frescos e de rápido consumo ou em períodos sazonais como Páscoa, Dias das Mães, Natal e Ano Novo”, afirma a coordenadora comercial de rotisserie do Pão de Açúcar e Extra, Talyta Gomes.

A executiva mencionou que existe um movimento para diversificar os fornecedores e também sortimentos dentro do portfólio atual. “Estimamos que, em períodos regulares, a participação da categoria representa aproximadamente 5% das vendas de perecíveis da empresa. Em eventos sazonais, a demanda desses produtos aumenta, representando cerca de 10%”, explicou Talyta, ressaltando também que uma parcela da categoria de produtos é preparada com ingredientes das marca própria da rede, como Taeq e Qualitá.18

Previous Incursão da Amazon em ração animal não intimida rival alemã
Next Padaria Pet inova com café e pipoca para cachorros

You might also like

Alimentos

Três anos depois do auge, paletas mexicanas tentam se reinventar e a MP vem pra ajudar

Fonte: Gazeta do Povo – Por Naiady Piva No verão de 2014, a rede paranaense Los Paleteros vendeu R$ 72 milhões em paletas mexicanas. O consumo de sorvete batia recordes

Farmacêuticos e higiene

Kroger comercializará produtos com canabidiol em suas lojas

Fonte: Panorama Farmacêutico A Kroger, maior varejista de alimentos dos Estados Unidos irá vender produtos a base de canabidiol em quase mil lojas. No entanto, nenhum dos itens é alimentício.

Notícias Internacionais

Lidl Portugal quer reduzir o consumo de plástico em 20% até 2025

Fonte: supplychainmagazine.pt Mar 26, 2018 Após várias medidas em prol da sustentabilidade, chega agora a altura do plástico: o consumo de plástico do Lidl em Portugal será reduzido em pelo

Notícias Internacionais

Auchan lança o primeiro queijo flamengo Bio de marca própria 100% português

A Auchan é o primeiro retalhista a disponibilizar nas suas lojas queijo flamengo biológico de marca própria 100% português. Produzido em Vila Nova de Famalicão, na freguesia do Louro, o