Marcas próprias ganham destaque no canal farma e crescem 19,8% em 2018

Fonte: Guia da Farmácia

Segundo dados da Nielsen, aderência é maior entre consumidores de classe média

No segmento de marcas próprias, as farmácias foram as que mais conseguiram se acentuar e totalizaram aumento de 19,8%, passando de R$ 149,35 milhões contabilizados entre 2016 e 2017, para R$ 178,9 milhões, entre agosto de 2017 e agosto de 2018, segundo dados da Nielsen. No canal Cash&Carry, conhecido popularmente como atacarejo, o segmento também apresentou desempenho positivo, com crescimento de 13,5%, saindo de R$ 429,22 milhões para R$ 487,19 milhões, na mesma base de comparação. “Percebemos que a relevância do canal farma vem crescendo nos últimos anos. Em 2018, por exemplo, o faturamento foi 7,7 vezes maior que em 2010. Esta alta é decorrente de uma mudança no comportamento do consumidor, que fomenta uma nova dinâmica de compras”, segundo avalia o diretor de atendimento ao varejo da Nielsen, Roberto Butragueño. “O consumidor procura, no farma, a variedade de sortimento que não encontra no atacarejo, por exemplo. Neste canal, o shopper se permite passar mais tempo nas gôndolas e se mostra aberto para experimentações, o que não é tão comum nos demais”, acrescenta.

Marcas próprias no canal farma

Os lares brasileiros estão aderindo cada vez mais às marcas próprias de farmácia. Em 2017, o número de domicílios que efetuaram compra chegou a 1,3 milhão, crescimento de 29% com relação ao ano de 2016. O tíquete médio ficou em torno de R$ 14,26, aumento de 2,3%; e a frequência de compra cresceu em 2%, chegando a 1,5 vezes por lar.

Neste canal, a aderência é ainda maior entre os consumidores de classe média e os gastos de lares fidelizados aumentou em 6%. “A classe média descobriu os produtos de marcas próprias da rede de farmácia, que se destacam entre os novos lares compradores. Os produtos fidelizam, atraem mais gastos e ganham maior frequência de compra em dois pontos percentuais”, explica.

Posicionamento com preço intermediário/baixo

Entre as quinze principais categorias de marcas próprias analisadas pela Nielsen, há uma maior concentração naquelas que se posicionam como marcas de preço médio/baixo (65%), seguidas pelas de preço médio alto (21%) e, por fim, as mais baratas (14%). Entretanto, produtos de preços médios altos foram os únicos que apresentaram crescimento (10,9%). As de preço baixo tiveram retração de 13,5% e médios baixos totalizaram queda de 9,9%. “Quando falamos de marcas próprias, não somente o preço é importante, mas principalmente a forma como a marca se posiciona para o consumidor. Precisa ficar claro para o shopper qual é a proposta de valor entregue, que justifique o preço dela, seja ela uma opção mais barata ou de produto premium (com diferenciais e alto valor agregado)”, diz Roberto Butragueño.

Previous Raia Drogasil compra a Onofre
Next Quando a indústria vira varejo: o caso das lavanderias Tide.

You might also like

Notícias

Decathlon cresce no beach tennis com marca própria Sandever

A Decathlon decidiu usar a disputa do EGA Group International, um dos principais torneios de tênis de praia (beach tennis) do mundo, para apresentar ao mercado brasileiro a Sandever, nova

Notícias

Um novo jeito de cozinhar: kits Cheftime by Pão de Açúcar

Após a grande aceitação dos consumidores dentro do período de testes, o Pão de Açúcar está expandindo a oferta dos kits Cheftime para mais lojas do Estado de São Paulo.

Notícias

Cooperativas agropecuárias avançam cada vez mais em direção ao varejo

Por meio de marcas próprias de alimentos prontos, elas passaram a competir de igual para igual com as multinacionais

Comércio varejista

Carrefour Brasil registra lucro de R$ 389 milhões e quer intensificar marcas próprias

O Carrefour Brasil registrou um lucro líquido consolidado atribuído aos acionistas controladores de R$ 389 milhões no segundo trimestre, um resultado 39,4% superior ao apurado no mesmo período do ano