Quando a indústria vira varejo: o caso das lavanderias Tide.

Fonte: Brazil Journal – Por Mariana Barbosa

Ter uma máquina de lavar dentro de casa não é exatamente uma aspiração das novas gerações. Por isso, a Tide – a líder global em sabão para lavar roupas – resolveu apostar no consumo fora de casa, com a criação da rede Tide Cleaners.

A marca da Procter & Gamble começou a experimentar com o negócio de lavanderias em 2010. Desde então, já são 125 lojas franqueadas, de mais de 700 pontos de coleta em pontos comerciais e quiosques em 20 campus universitários, onde clientes acionam o serviço pela internet depois recolhem tudo lavado e passado.

Agora, a empresa está dobrando a aposta no projeto, que nasceu como parte de uma estratégia de marketing: o plano é alcançar 2.000 pontos de coleta até o fim do ano que vem.

Os formatos incluem desde lojas tradicionais franqueadas a armários que funcionarão como pontos de coleta em condomínios, supermercados e escolas.

A Tide vem experimentando diferentes formas de dialogar com o consumidor, incluindo seu serviços de assinatura, o Tide Wash Club.

O mercado potencial para a Tide é enorme: a Procter estima que 26 milhões de lares americanos lavam sua roupa fora de casa, seja usando as maquinas compartilhadas, seja as lavanderias tradicionais.

A Procter, que também é dona das marcas Ariel e Downy, lidera o mercado global de detergente de roupas com 26% de share, à frente de Unilever e Henkel.

Com muita roupa suja pra lavar, esse mercado movimenta US$ 49 bilhões.

Previous Marcas próprias ganham destaque no canal farma e crescem 19,8% em 2018
Next A aposta frustada de Warren Buffett

You might also like

Notícias

Macy’s lança mais marcas próprias para impulsionar seus negócios

Varejista pretende lançar quatro marcas próprias até o final de 2025 A loja de departamentos Macy’s lançou no início de fevereiro a State of Day, a segunda de quatro marcas próprias

Notícias

Grupo Pão de Açúcar quer destacar marcas brasileiras

O Brasil é um dos mercados mundiais com menor penetração das marcas próprias, apenas 5%, e agora o GPA quer mudar isso – aumentando margens, diminuindo a dependência da indústria

ABMAPRO na mídia

Sob inflação alta, consumidor recorre à marca própria de produtos para conter gastos em supermercados

Com a inflação ainda em índices elevados e os preços, sobretudo, dos alimentos nas alturas, famílias brasileiras buscam alternativas para equilibrar as contas na ida ao supermercado. Neste sentido, recorrer

Têxtil e couro

Naemii: Silvia Fregonese lança marca própria de olho em expansão nacional

Considerada uma das grandes referências do mercado de vestidos para noivas, a estilista curitibana passa a oferecer peças exclusivas com sua assinatura Uma paixão pela moda que vem crescendo desde