A aposta frustada de Warren Buffett

No ano passado, empresa de Buffett, Berkshire Hathaway, perdeu US$ 2,7 bilhões com a Kraft Heinz; para ele, companhia pagou em “excesso” ao assumir dívida de gigante.

O megainvestidor usou a marca Kirkland, marca própria da rede Cotsco, para demonstrar como o setor está mudando. A Kirkland tem bem menos tempo de estrada – mas, mesmo assim, superou as vendas da gigante ao ter distribuição garantida.

Fonte: Estadão Conteúdo

O megainvestidor Warren Buffett afirmou que a sua empresa de investimento, a Berkshire Hathaway e a 3G Capital, fundo dos brasileiros fundadores da Ambev, pagaram caro demais em 2015, quando ajudaram a Heinz a comprar a Kraft para formar a Kraft Heinz.

“O interessante sobre a Kraft Heinz é que ela continua a ser um excelente negócio”, disse Buffet ao canal de TV americano CNBC.

No entanto, “o negócio não faz mais dinheiro porque você paga mais por ele”.

No ano passado, a Berkshire Hathaway perdeu US$ 2,7 bilhões com a Kraft Heinz. Ele afirmou que a empresa é “um negócio fabuloso”, mas admitiu que a Heinz pagou em excesso e assumiu uma dívida gigante.

“Nossa dívida de US$ 31 bilhões é maior do que projetamos inicialmente – e precisamos reduzi-la”, disse.

Segundo Buffett, a Kraft Heinz perdeu poder de barganha no varejo.

O megainvestidor usou a marca Kirkland, marca própria da rede Cotsco, para demonstrar como o setor está mudando. Enquanto muitas das marcas da Kraft Heinz existem desde o século 19, a Kirkland tem bem menos tempo de estrada – mas, mesmo assim, superou as vendas da gigante ao ter distribuição garantida.

Apesar de reclamar do prejuízo, Buffett defendeu a empresa de acusações de que viria investindo pouco dinheiro em suas marcas.

Ele disse ter visto muita inovação na companhia enquanto esteve no conselho de administração. Mas, segundo ele, a Kraft Heinz cometeu o erro de pensar que tinha mais poder de barganha com os varejistas do que na realidade possuía.

Apesar de as ações terem despencado nos últimos dias, o controlador da Berkshire Hathaway disse continuar satisfeito em ter 27% da empresa e ser parceiro da brasileira 3G Capital.

“Eu fico feliz por ser parceiro (do cofundador da 3G, Jorge Paulo Lemann). Ele é um ser humano incrível e muito esperto nos negócios”, disse Buffett, indicando que não deseja se desfazer de sua parcela na empresa: “Não é o nosso estilo.”

Previous Quando a indústria vira varejo: o caso das lavanderias Tide.
Next Incursão da Amazon em ração animal não intimida rival alemã

You might also like

Notícias

Coco Bambu quer vender 20 mil cervejas mês

Afrânio Barreira, o sócio-majoritário da rede de restaurantes Coco Bambu, diz que a cerveja de marca própria desenvolvida com a Wäls (Ambev) já está em todas as 31 lojas  –

Comércio varejista

“Marca própria” no Brasil, deve crescer 15% até o fim de 2014

Fonte: DCI O avanço da inflação no País tem levado os consumidores a optarem por itens mais baratos, favorecendo a expansão da produção terceirizada. Com isso, as indústrias que fabricam produtos

Notícias

ABMAPRO apoia proposta de adoção de limite de gastos do governo

Em comum acordo com a FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a ABMAPRO (Associação Brasileiras de Marcas Próprias e Terceirização) está apoiando à proposta de emenda constitucional

Notícias

Maior rede de farmácias do sul, Panvel acelera expansão em SP

Por Estadão Conteúdo Com apenas quatro lojas na capital paulista, a partir de 2019, empresa gaúcha quer chegar a 45 pontos de venda, com previsão de dez novas farmácias por