A aposta frustada de Warren Buffett

No ano passado, empresa de Buffett, Berkshire Hathaway, perdeu US$ 2,7 bilhões com a Kraft Heinz; para ele, companhia pagou em “excesso” ao assumir dívida de gigante.

O megainvestidor usou a marca Kirkland, marca própria da rede Cotsco, para demonstrar como o setor está mudando. A Kirkland tem bem menos tempo de estrada – mas, mesmo assim, superou as vendas da gigante ao ter distribuição garantida.

Fonte: Estadão Conteúdo

O megainvestidor Warren Buffett afirmou que a sua empresa de investimento, a Berkshire Hathaway e a 3G Capital, fundo dos brasileiros fundadores da Ambev, pagaram caro demais em 2015, quando ajudaram a Heinz a comprar a Kraft para formar a Kraft Heinz.

“O interessante sobre a Kraft Heinz é que ela continua a ser um excelente negócio”, disse Buffet ao canal de TV americano CNBC.

No entanto, “o negócio não faz mais dinheiro porque você paga mais por ele”.

No ano passado, a Berkshire Hathaway perdeu US$ 2,7 bilhões com a Kraft Heinz. Ele afirmou que a empresa é “um negócio fabuloso”, mas admitiu que a Heinz pagou em excesso e assumiu uma dívida gigante.

“Nossa dívida de US$ 31 bilhões é maior do que projetamos inicialmente – e precisamos reduzi-la”, disse.

Segundo Buffett, a Kraft Heinz perdeu poder de barganha no varejo.

O megainvestidor usou a marca Kirkland, marca própria da rede Cotsco, para demonstrar como o setor está mudando. Enquanto muitas das marcas da Kraft Heinz existem desde o século 19, a Kirkland tem bem menos tempo de estrada – mas, mesmo assim, superou as vendas da gigante ao ter distribuição garantida.

Apesar de reclamar do prejuízo, Buffett defendeu a empresa de acusações de que viria investindo pouco dinheiro em suas marcas.

Ele disse ter visto muita inovação na companhia enquanto esteve no conselho de administração. Mas, segundo ele, a Kraft Heinz cometeu o erro de pensar que tinha mais poder de barganha com os varejistas do que na realidade possuía.

Apesar de as ações terem despencado nos últimos dias, o controlador da Berkshire Hathaway disse continuar satisfeito em ter 27% da empresa e ser parceiro da brasileira 3G Capital.

“Eu fico feliz por ser parceiro (do cofundador da 3G, Jorge Paulo Lemann). Ele é um ser humano incrível e muito esperto nos negócios”, disse Buffett, indicando que não deseja se desfazer de sua parcela na empresa: “Não é o nosso estilo.”

Previous Quando a indústria vira varejo: o caso das lavanderias Tide.
Next Incursão da Amazon em ração animal não intimida rival alemã

You might also like

Notícias

Barras, tabletes e bombons vão dar o tom da Páscoa nos supermercados

Fonte: DCI PAULA CRISTINA SÃO PAULO •02.03.18 5:06 AM Para caber no bolso dos consumidores, principais redes do Brasil elevaram em até 25% os pedidos de produtos mais baratos à

Notícias

Marca Própria de amenities do hotel Emiliano é lançada no varejo

Fonte: www.brazilbeautynews.com – Por Renata Martins   Vendida pela internet e lojas multimarcas desde o ano passado, a Santapele acaba de ganhar seu primeiro ponto proprio. Em 2008, o empresário Carlos Alberto

Bebidas e fumo

Coco Bambu quer vender 20 mil cervejas mês

Afrânio Barreira, o sócio-majoritário da rede de restaurantes Coco Bambu, diz que a cerveja de marca própria desenvolvida com a Wäls (Ambev) já está em todas as 31 lojas  –

Destaques

Bancos private label são tendência para empresas que buscam cortar custos e expandir produtos

Fonte: www.jornalcontabil.com.b – Rede Jornal Contabil  – Por Alex Silva   Por meio de plataformas customizáveis, companhias de outros setores vão começar a oferecer serviços bancários Na esteira da popularização dos bancos