Primeiro selo ‘livre de plástico’ vai ajudar consumidores a conter poluição

Fonte: REUTERS • LONDRES

 

Um novo selo “livre de plástico” lançado na Grã-Bretanha na quarta-feira permitirá que consumidores identifiquem produtos com embalagens plásticas, com as empresas sob crescente pressão para usar alternativas verdes.

Oito milhões de toneladas de plástico -garrafas, embalagens e outros resíduos- são despejadas nos oceanos todos os anos, matando a vida marinha e entrando na cadeia alimentar humana, segundo as Nações Unidas.

A preocupação crescente do público e de parlamentares sobre os danos ao meio ambiente significa que os fabricantes de alimentos e bebidas e os varejistas estão sob pressão para adotar políticas sobre resíduos plásticos.

“Todos sabemos o estrago que nosso vício por plástico causou, queremos fazer a coisa certa e comprar sem plástico”, disse Sian Sutherland, cofundadora do ‘A Plastic Planet’, o grupo de campanha com sede na Inglaterra por trás do novo selo.

“Mas é mais difícil do que você pensa, e um selo claro e direto é muito necessário. Finalmente, os compradores podem ser parte da solução e não o problema.”

O gigante supermercado britânico Iceland, o supermercado holandês Ekoplaza, que lançou um corredor sem plásticos no início deste ano, e as empresas britânicas de chá estão entre as primeiras empresas a adotar o rótulo.

No mês passado, mais de 40 empresas, incluindo grandes supermercados da Grã-Bretanha, a Coca-Cola, Nestlé e Procter & Gamble, assinaram o Pacto Plásticos do Reino Unido, prometendo eliminar embalagens descartáveis de plástico até 2025.

Em janeiro, o Iceland, de capital fechado, tornou-se o primeiro supermercado britânico a prometer eliminar as embalagens plásticas de todos os seus produtos de marca própria.

“Com o setor de varejo de alimentos respondendo por mais de 40 por cento das embalagens plásticas no Reino Unido, já é hora de os supermercados da Grã-Bretanha se unirem para assumir uma liderança”, disse Richard Walker, diretor administrativo da Iceland.

Em 2015, a Grã-Bretanha introduziu uma taxa sobre sacolas plásticas, o que levou a uma redução de 80 por cento no uso de sacolas plásticas desde então.

Quase 200 países assinaram no fim do ano passado uma resolução da ONU para eliminar a poluição por plástico do mar, medida que alguns esperam abrir caminho para um tratado juridicamente vinculativo.

Previous Três anos depois do auge, paletas mexicanas tentam se reinventar e a MP vem pra ajudar
Next A Marca Própria e a Inovação

You might also like

Notícias

IPLC EDITA “THE PRIVATE LABEL REVOLUTION”

IPLC EDITA “THE PRIVATE LABEL REVOLUTION” Fonte: HiperSuper – Por Rita Gonçalves A IPLC (International Private Label Consult) lançou na passada quinta-feira em Paris, França, a obra “The Private Label

Eventos

ABMAPRO participa da 11ª Reunião do Fórum de Competitividade do Varejo, liderado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), em Brasília

Neide Montesano, presidente da associação, passa a integrar uma das cadeiras do Fórum que conta com a representação das maiores entidades de varejo do Brasil     No último 28/09,

ABMAPRO na mídia

Confraternização Abmapro reúne diretoria, associados e parceiros para falar sobre 2020

A diretoria da Associação Brasileira de marcas Próprias e Terceirização (ABMAPRO) reuniu-se no dia 05 de dezembro de 2019, em São Paulo, para a confraternização de 2019. Participaram de um

Notícias

Marcas próprias ganham destaque no canal farma e crescem 19,8% em 2018

Fonte: Guia da Farmácia Segundo dados da Nielsen, aderência é maior entre consumidores de classe média No segmento de marcas próprias, as farmácias foram as que mais conseguiram se acentuar