E-Commerce: Saúde e Cosméticos Ultrapassa Moda e é o que mais vende no Brasil

Fonte: Exame – Por Dino

A 38ª edição do Webshoppers, o maior estudo sobre E-commerce do Brasil, mostrou que o mercado digital nacional teve algumas alterações importantes. A principal delas é a chegada do segmento Saúde, Cosméticos e Perfumaria ao topo do ranking de pedidos virtuais no primeiro semestre de 2018. Quando comparado ao mesmo período do ano passado, o segmento teve crescimento de 33% no volume de encomendas.

Para o especialista Bruno de Oliveira, fundador do Ecommerce na Prática, a tendência é que o setor continue a se desenvolver nos próximos anos: “Hoje, vivemos a geração saúde. A preocupação com o corpo e a mente é cada vez maior. Além disso, existe um movimento crescente de desmistificação dos cosméticos masculinos. Com a maior participação dos homens na compra de produtos relacionados a saúde e bem-estar, esse mercado só tem a crescer”.

Mesmo empresas criadas há pouco tempo já conseguem perceber o enorme potencial do setor de saúde. A Nature Therapy, que trabalha com cosméticos, beleza e perfumaria, foi criada em maio deste ano e tem conseguido se destacar. O diferencial é a criação de conteúdo exclusivo para seu público-alvo. “Nós temos um blog, com conteúdo de valor para informar e auxiliar quem nos acompanha, além de trabalhar com as redes sociais. Esse engajamento gera fidelização dos clientes, o que garante novos pedidos e receita recorrente”, diz a fundadora da empresa, Elisa Novaes Cancella.

Essa estratégia, segundo Bruno de Oliveira, é crucial para o sucesso de um E-commerce focado em saúde. “Além de vender produtos de qualidade, é importante a criação de uma audiência engajada e fiel à marca. Há muitos produtos semelhantes no mercado, mas as pequenas e médias empresas conseguem se destacar ao se estabelecerem como autoridade no assunto. O público quer comprar de marcas nas quais confiam”, completa.

Além de Saúde, Moda e Acessórios (14,5%), Casa e Decoração (10,9%) e Eletrodomésticos (9,8%) são as categorias que mais receberam pedidos online no primeiro semestre. Em seguida, Telefonia e Celulares aparece empatada com Esporte e Lazer, representando 7,7% do volume de encomendas cada.

Em relação ao faturamento, o estudo manteve a previsão de crescimento do E-commerce nacional para 12,1% em 2018. Até o momento, foram movimentados R$23,6 bilhões. A expectativa é que o comércio digital ultrapasse a marca de R$53 bilhões até o fim do ano. O segmento que faturou mais no primeiro semestre foi Telefonia e Celulares, com 18,9%. O pódio é completo por Eletrodomésticos (17,9%) e Eletrônicos (11,2%) devido aos tickets médios mais altos.

Mesmo com o maior número de pedidos, Saúde ocupa a sexta posição no ranking dos maiores faturamentos, com 6,2%.  Entretanto, a expectativa é o crescimento exponencial continue nos próximos anos. Em comparação ao mesmo período do ano passado, Saúde, Cosméticos e Perfumaria faturou 45% a mais.

Previous Coop lança ação para elevar representatividade de marca própria
Next Mundo Verde - Rede de 400 lojas de alimentos saudáveis aposta na marca própria e RS lidera vendas

You might also like

Notícias ABMAPRO

ABMAPRO leva executivos para evento de marcas próprias nos EUA

O mercado de marcas próprias segue em amplo crescimento no mundo. Os Estados Unidos são um retrato fiel desse fenômeno. Representa quase 25% das vendas no varejo. Diante disso, a

Notícias ABMAPRO

Grupo GPA acelera expansão do Assaí e quer mais força em marcas próprias

Fonte: DCI – Por JOÃO VICENTE RIBEIRO Abertura de novas lojas no formato de cash ans carry, que já representa um marketshare de 44% nas vendas totais da companhia, pode mitigar

Bancos, finanças e seguradoras

Banco digital BBNK recebe aporte para investimento para que empresas não financeiras tenham seu próprio braço financeiro com Marca Própria

Fonte: Reuters SÃO PAULO (Reuters) – O BBNK, banco que permite que empresas não financeiras tenham seu próprio braço de serviços bancários, está recebendo um aporte de até 60 milhões

Destaques

Mundo Verde investirá mais em marca própria

Fonte: DCI – Por JOÃO VICENTE RIBEIRO   Expectativa da rede varejista de produtos naturais é que metade dos itens comercializados sejam exclusivos; vending machine e operações para além dos shoppings