Aldi chega à China

Fonte: Grande Consumo

O Aldi vai abrir esta sexta-feira, dia 7 de junho, as suas duas primeiras lojas na China.

Os dois pontos de venda, localizados em Xangai, irão marcar o arranque de um ambicioso processo de expansão para o mercado chinês, onde o grupo alemão espera atrair a crescente classe média.

Apesar do Aldi ter alguma presença naquele mercado, há já alguns anos, através da plataforma Tmall do Albaba, ainda não tinha lojas físicas. Para além dos dois espaços iniciais, estão previstos mais oito ainda este ano, mas o objetivo é chegar à centena em breve.

De acordo com Nick Miles, analista da IGD, existe um elevado potencial na expansão do Aldi para a China. Dentro de quatro anos, será o maior mercado mundial de FMCG, à frente dos Estados Unidos da América, e onde a classe média é ávida de produtos de qualidade importados da Europa. Contudo, nota, os consumidores chineses preferem as marcas de fabricante, enquanto o Aldi está muito apoiado na sua marca própria.

Previous Portas Abertas 12.06.19 - Especial Pós PLMA Amsterdam
Next Kroger comercializará produtos com canabidiol em suas lojas

You might also like

Notícias

Edital de convocação – Assembleia Geral das Eleições da ABMAPRO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL – QUATRIÊNIO DE 2017/2020 São Paulo 03 de Novembro de 2016. A Associação Brasileira de

Notícias

GPA anuncia novidades para democratizar Qualitá

Fonte: No Varejo – Por Gabriella Sandoval Dez anos depois do lançamento de Qualitá, o Grupo GPA tem uma meta ousada: fazer com que os produtos de marca própria caiam no gosto dos consumidores brasileiros – e

Notícias

Marcas Próprias conquistaram 2,2 milhões de novos consumidores

Elas já são adquiridas por 1 em cada 3 lares brasileiros Ao conquistar mais de 2,2 milhões de novos compradores no primeiro semestre deste ano, as marcas próprias elevaram sua penetração

Notícias

A pandemia trouxe mudanças importantes nos hábitos dos consumidores

A pandemia trouxe mudanças importantes nos hábitos dos consumidores, não só no Brasil. Um exemplo que vem bem de perto: a Argentina liderou, em 2020, o crescimento das marcas próprias