6 tendências mundiais para o mercado varejista em 2019

Por  Karina Rodrigues

Reunindo os principais varejistas do território nacional e internacional em Nova Iorque, em janeiro, a NRF 2019, maior evento de varejo do mundo, apresentou tendências que vão alavancar o setor varejista este ano e destacou diversas oportunidades para o mercado. Além de insights que englobam muita inovação, cultura digital e a necessidade de construir histórias com experiências. Confira as seis principais tendências:

1 – Inovação a caminho da disrupção: mudanças exponenciais e com agilidade necessitando reestruturação e fortalecimento no sistema imunológico das empresas para evitar atrito durante o processo.

2 – Tecnologia e Dados: trazer uma nova abordagem para a tecnologia, transformando e aperfeiçoando o mecanismo para obter um banco de dados seguro.

3 – Excelência operacional: gerar inovação e experiência ao cliente, utilizando ativos e sustentabilidade para desenvolver uma logística estratégica para o mercado.

4 – Relação direta na jornada do cliente: as empresas necessitam entender a necessidade e desejo do seu consumidor e colocá-lo como centro da estratégia no planejamento ativo na execução.

5 – Lojas e Ecossistemas: plano estratégico sem atrito, fácil, inteligente, oferecendo soluções convenientes e com experiência elevada. Sistema integrado através da loja, soluções financeiras, redes sociais e entretenimento.

6- Cultura, Posição e Transformação:

· Cultura: com princípios e propósitos – empresas e marcas precisam ter “alma”, transmitir o seu valor para o cliente se sentir abraçado;
· Posição: transparência e autenticidade – as marcas necessitam de um posicionamento definido mesmo quando não agradam todos os públicos;
· Transformação: cultura digital e desafio do modelo de negócios – as empresas precisam ter coragem para se transformar sem perder a sua essência.

Outro ponto bastante discutido durante a NRF foi o desenvolvimento da cultura digital, bem como a integração de dados e a inteligência artificial. Além disso, ganharam destaque cases de transformação digital com foco no mapeamento da jornada do consumidor.

Dentre os cases apresentados sobre inteligência artificial durante a NRF, estão: app de integração de promoções e descontos; plataforma completa de integração com todos os detalhes do mercado de e-commerce e comércio eletrônico; totem interativo para pesquisas com foco em lojas físicas; prateleiras inteligentes controlando estoque das mercadorias com foco em supermercado e drogarias.

Já na área de transformação digital, destacaram-se: Navegação 3D no mundo do e-commerce, promovendo uma experiência de realidade virtual; soluções de cloud de pagamentos omnichannel – um sistema que cruza a automação de e-commerce com mundo físico; glass mídia, painel oferecendo interação inovadora ao consumidor; e visual Merchandising, mecanismo para uma boa exposição dos seus produtos.

 

Previous Marcas próprias deixam de ser opção só na crise e conquistam brasileiros
Next Raia Drogasil compra a Onofre

You might also like

Comércio varejista

Renner lança coleção de produtos feitos de materiais reciclados

Seguindo a tendência sustentável que tem surgido em diversos segmentos, inclusive a moda, a Renner lançou uma nova linha, chamada Re – Moda Responsável. O primeiro produto da coleção é

ABMAPRO na mídia

Cosméticos de marcas próprias estão em alta

Neide Montesano, presidente da ABMAPRO (Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização), foi destaque no Jornal da Band em matéria sobre o crescimento das marcas próprias em farmácias. https://noticias.band.uol.com.br/jornaldaband/videos/2016/07/05/15918503-cosmeticos-de-marca-propria-estao-em-alta.html  

Notícias

Raia Drogasil compra a Onofre

Fonte: Brazil Journal – Por Geraldo Samor   A Raia Drogasil fechou um acordo para comprar a Onofre, uma aquisição oportunista que acrescenta 50 lojas à maior rede de drogarias

Alimentos

Refeições prontas no supermercado ganham apelo saudável e até gourmet

Fonte: DCI – Por João Vicente Ribeiro Demanda crescente por pratos de consumo imediato tem feito com que as redes invistam na ampliação dos espaços físicos e também na diversificação