Marcas próprias ganham espaço nos supermercados com preços até 25% mais baixos

Marcas próprias ganham espaço nos supermercados com preços até 25% mais baixos

O crescimento dos produtos de marca própria reflete o “empoderamento do consumidor”. O segmento que surgiu como um instrumento de fidelização é agora também visto como uma ferramenta que permite ao cliente economizar e comprar novos produtos. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização (Abmapro), Neide Montesano, uma cesta básica com artigos de marca própria pode custar de 15% a 25% menos comparada a uma com marcas de fabricantes. “Com essa economia, a pessoa pode comprar iogurte, amaciante de roupa e outros produtos que não fazem parte de sua cesta”, afirma Neide Montesano.

O GPA, que controla Extra e Pão de Açúcar, afirma que produtos da marca própria das duas redes são posicionados para serem, em média, 30% mais baratos em comparação às marcas líderes de cada categoria em que atua. E o segmento está ganhando espaço no faturamento das redes. No Carrefour, 44% dos clientes compram algum dos oito mil produtos com a marca do supermercado. O último balanço da rede francesa mostra que a venda de artigos desse segmento cresceu 30% no país, no terceiro trimestre em relação a igual período de 2018.

E a economia pode ser ampliada. A Abmapro calcula que o faturamento do setor deve crescer 10,5% este ano e 12,5% em 2020. O aumento da receita pode contribuir para redução do custo de produtos de marca própria. “O aumento do volume de preço pode reduzir os custos de produção e, por consequência, o preço para o consumidor”, diz a presidente da Abmacro.

Uma pesquisa realizada a partir do Painel de Lares da Nielsen ajuda a explicar, em parte, o crescimento de setor que disputa mercado pelo preço. O levantamento divulgado em outubro revelou que apenas 5% dos brasileiros são super leais a produtos, marcas e bandeiras varejistas.

Jorge Dias faz parte dos outros 95% não fieis à marca. O engenheiro mecânico, que é um dos caçadores de ofertas da plataforma Qual Oferta, reconhece que os produtos de marca própria tendem a ser mais baratos dentro de uma rede, mas o preço pode ser maior que na concorrência. “Faço compras diárias e estou sempre atrás de promoção. Não importa se é ou não um produto de marca própria”, ensina o engenheiro.

A pesquisa rápida na internet corrobora com Dias. O requeijão de 200ml da Vigor era vendido nesta segunda-feira (18) por R$ 4,75 e um de marca própria similar por R$ 5,19, no mesmo site de uma grande rede de supermercados.

Neide Montesano explica que o setor de marca própria está na quarta geração. A terceira é a de produtos similares com preços entre 15% e 25% menores. Os produtos da quarta geração são os desenvolvidos para chamar a atenção do cliente que aceita pagar mais por um produto orgânico ou por outro que tenha um valor específico para o consumidor. Para exemplificar, a presidente da Abmacro cita a Taeq, de alimentação saudável das redes Extra e Pão de Açúcar. “As marcas da quarta geração não estão focadas no preço, mas em outros valores”, afirma.

 

Fonte: O Globo

Previous OMNICHANNEL: Entenda a importância de ter uma visão centralizada dos seus dados de mídia
Next Impulsionadas pela Black Friday, vendas no varejo crescem 5,2% em novembro, aponta ICVA

You might also like

Notícias

Área de marcas próprias da Pague Menos segue em crescimento

A linha de produtos exclusivos já representam 12% das vendas de não-medicamentos A Pague Menos tem investido cada vez mais no desenvolvimento de sua linha de produtos de marca própria. Estabelecida

Destaques

Palestrantes

Veja os convidados especialistas que vão se apresentar no 8º Congresso de Marcas Próprias ABMAPRO.  

Bancos, finanças e seguradoras

Bancos private label são tendência para empresas que buscam cortar custos e expandir produtos

Fonte: www.jornalcontabil.com.b – Rede Jornal Contabil  – Por Alex Silva   Por meio de plataformas customizáveis, companhias de outros setores vão começar a oferecer serviços bancários Na esteira da popularização dos bancos

Destaques

Como a Amazon está vencendo o jogo do varejo online. De novo

Novas estratégias criam oportunidade para empresa dobrar receitas com marcas própria para US$ 25 bilhões nos próximos quatro anos, segundo analistas Por Julie Creswell, The New York Times Tudo começou