Durante a crise, marcas próprias crescem no mundo todo e mudam comportamento do consumidor

Durante a crise, marcas próprias crescem no mundo todo e mudam comportamento do consumidor

Entrevista Neide Montesano – Presidente Abmapro para Estadão

Muitas são as mudanças que a pandemia tem causado no comportamento das pessoas. Hoje, o já clichê ‘novo normal’ reverbera na mídia e nas conversas informais que ouvimos por aí. Mas essas transformações não se limitam apenas a um comportamento de distanciamento social ou ao aumento das compras via internet. No varejo, a crise sanitária e econômica deu lugar a um crescimento que talvez não seja muito patente: o das marcas próprias.
É fato que as marcas próprias crescem em momentos de crise, mas a pandemia de Covid-19 tem ratificado isso. No país, só no primeiro semestre de 2020, as MPs cresceram substancialmente: atraíram 2,2 milhões de novos consumidores, de acordo com pesquisa realizada pela Kantar. E a expectativa é que o setor cresça ao menos 21% até o final deste ano.
Na Europa, as marcas próprias têm se mostrado um aliado para as lojas físicas, pois incentivam o cliente a se deslocar até elas para comprar produtos com uma boa relação custo-benefício.
No Brasil, um exemplo do qual sempre me recordo é o de quando, há uns anos, foram testadas marcas de azeites extravirgens para verificar a autenticidade e a qualidade dos produtos. E, para a surpresa de muitos, rótulos consagrados foram reprovados por sequer venderem produtos realmente extravirgens. Dentre as poucas que passaram pelo crivo dos especialistas, a do Carrefour se sobressaiu por ser a melhor em termos de custo-benefício – além de não ter propaganda enganosa na embalagem.
Há também produtos que se destacam não só pelo bom preço e pela qualidade superior, mas também pela origem, como é o caso da marca Taeq, do grupo Pão de Açúcar. Disponível nas prateleiras de todas as unidades da rede, seu sucesso é justificado pelo apelo que tem junto aos consumidores ‘fitness’, cada vez mais numerosos nos dias de hoje. Com produtos voltados para a alimentação saudável, a marca, que aposta em ingredientes naturais e orgânicos, é a grande pedida para aqueles que fazem – ou tentam fazer – uma dieta mais balanceada, mas preferem não consumir produtos de marcas mais famosas, por custarem mais caro, em geral. Recentemente, o grupo também lançou a linha Nous de cuidados pessoais, para competir no segmento, com a promessa de preços competitivos aliados à qualidade.
No mundo, o mercado de marcas próprias só faz crescer. Apenas no Brasil, já alcançou 32,8 milhões de lares em 2017, o que representa um crescimento 40% maior em relação às outras marcas. Além disso, o país responde por 36% do setor em toda a América Latina.
O que o mercado de marcas próprias nos ensina é que, especialmente em momentos de crise, deixar nas prateleiras os produtos dos grandes conglomerados internacionais e optar por MPs pode ser uma maneira de economizar, obter produtos de melhor procedência e mostrar ao consumidor que é possível levar para casa um produto de qualidade, que custe, em média, 25% menos.
E quem sabe, ao deixar as famosas marcas internacionais de lado, possamos consumir cada vez mais produtos locais, beneficiando pequenos produtores e aquecendo ainda mais o nosso mercado interno. Momentos de crise fazem com que olhemos para o que está mais próximo e, talvez, o consumo das marcas próprias nos leve a valorizar mais a produção local e ‘deixar o dinheiro no bairro’.

Previous Grupo Fasano ingressa em novo segmento do mercado, o Varejo, com diversos produtos de marca própria.
Next Área de marcas próprias da Pague Menos segue em crescimento

You might also like

Notícias Internacionais

IPLC EDITA “THE PRIVATE LABEL REVOLUTION”

IPLC EDITA “THE PRIVATE LABEL REVOLUTION” Fonte: HiperSuper – Por Rita Gonçalves A IPLC (International Private Label Consult) lançou na passada quinta-feira em Paris, França, a obra “The Private Label

Destaques

Rede DIA inaugura novo conceito de loja no Brasil

Por:  Amanda Lima “Meu DIA” traz modelo de loja focado em entregar mais conveniência ao consumidor, além de oferecer itens básicos para abastecimento da casa A rede de supermercados DIA

Comércio varejista

Grande supermercado holandês adota blockchain para tornar transparente a produção de suco de laranja

A Albert Heijn, a maior cadeia de supermercados da Holanda, revelou que está usando o blockchain para tornar a cadeia de produção de seu suco de laranja transparente, informou a

Alimentos

Dia aposta em venda digital, marcas próprias e franquias para crescer

Os supermercados, junto com as farmácias, foram os únicos estabelecimentos de varejo que não precisaram interromper sua operação física por causa da pandemia do novo coronavírus. Isso não significa que tenha sido uma