“Uma loja por semana”: o plano da agressiva e popular Miniso para o Brasil

Fonte: Exame – Por Mariana Fonseca

A rede de fast fashion com design japonês (mas de origem chinesa) irá expandir bastante pelo país, com a ajuda do franqueamento

São Paulo – A Miniso chegou ao Brasil há pouco mais de dois anos já quebrando seu recorde mundial de vendas diárias – e vai continuar sendo agressiva por aqui, seja nos preços populares ou na quantidade de pontos de venda.

Mesmo com tanta incerteza econômica e política no país, a loja dos produtos acessíveis mantém seu plano de “uma loja por semana” para o Brasil em 2019. Uma expansão tão avassaladora foi planejada por meio do franqueamento – modelo que começou no início deste ano.

Não é uma projeção desprovida de desafios – o que, para a Miniso, não é novidade nem em seu maior mercado, a China.

Otimismo com o Brasil – e desafios

Criada na cidade chinesa de Guangzhou em 2013, a Miniso se inspira na estética japonesa (ironicamente) para vender desde peças de design e utilidades de cozinha até itens de papelaria e fofas bugigangas. Todos os produtos comercializados nas lojas da Miniso são de marca própria. A maioria custa 9,99 reais, mas os preços começam em três reais e podem chegar a 200 reais.

A proposta caiu no gosto dos brasileiros: o país já é um dos dez maiores mercados da rede. Segundo Jean Paul Rebetez, sócio-diretor da consultoria de estratégia GS&Consult, existe mercado para lojas que foquem no custo-benefício (produtos de preço e variedades razoáveis, ainda que sem muita marca) para compras garimpadas e também de impulso em itens como acessórios, objetos para casa e papelaria. Mesmo durante épocas de incerteza econômica, o preço cabe na carteira do consumidor – e o custo de produção baixo dos produtos, importados da China, deve compensar a variação cambial.

“O Brasil é um país estratégico para qualquer negócio, por conta do tamanho da população, ainda que não seja um mercado fácil. Estamos passando por momentos turbulentos, mas acreditamos que precisamos apenas dar alguns meses para que a confiança do consumidor melhore”, afirma Frank Wei, presidente da Miniso no Brasil. Mesmo acessíveis, os produtos da Miniso por aqui devem render uma “margem boa” para a empresa, segundo Rebetez.

Previous ABMAPRO leva executivos para PLMA 2018 de Chicago
Next 8º Congresso de Marcas Próprias ABMAPRO foi um sucesso!

You might also like

Notícias

Marcas próprias ganham destaque no canal farma e crescem 19,8% em 2018

Fonte: Guia da Farmácia Segundo dados da Nielsen, aderência é maior entre consumidores de classe média No segmento de marcas próprias, as farmácias foram as que mais conseguiram se acentuar

Brinquedos

Brink+, marca própria de brinquedos da Lojas Americanas, aumenta sortimento em 15% para o Dia das Crianças e já acumula crescimento de 20% em vendas em 2019

Fonte: Jornal dia a dia Por Ray Santos Marca, que lançou 200 novos produtos este ano, tem programação especial em canal próprio do YouTube A Lojas Americanas aumentou em mais de

Notícias

Como a Amazon está vencendo o jogo do varejo online. De novo

Novas estratégias criam oportunidade para empresa dobrar receitas com marcas própria para US$ 25 bilhões nos próximos quatro anos, segundo analistas Por Julie Creswell, The New York Times Tudo começou

Comércio varejista

Amazon projeta sua própria rede de mercados nos EUA

Fonte: Redação Promoview Empresa de Jeff Bezos já é dona da Whole Foods e da Amazon Go, mas pelo visto quer uma opção “mainstream” para fortalecer sua posição na área.