Grupo Pão de Açúcar quer destacar marcas brasileiras

Grupo Pão de Açúcar quer destacar marcas brasileiras

O Brasil é um dos mercados mundiais com menor penetração das marcas próprias, apenas 5%, e agora o GPA quer mudar isso – aumentando margens, diminuindo a dependência da indústria e fidelizando os clientes.

Como? Primeiramente contrataram o alemão Wilhelm Kauth para que reformulasse as marcas exclusivas do GPA, como a Qualitá. Mesmo sem entender nossos costumes na hora de comer, ele conseguiu aumentar em 30% as vendas de goiabada e farofa da Qualitá, por exemplo.

E por que Kauth? O alemão trabalhou 16 anos para o grupo Lidl, maior varejista europeu (mais de 100 bilhões de dólares em faturamento), e benchmark quando se trata de marcas próprias – mais de 80% das vendas da rede são de marcas que pertencem a ela.

Outra varejista alemã, a Aldi, também utiliza dessa estratégia. Exige um esforço monumental junto à cadeia de fornecedores e uma capacidade de aprender a produzir e empacotar os produtos de forma atrativa como as empresas globais de bens de consumo, para que não reste dúvida sobre a qualidade versus preço.

No mercado europeu, as marcas próprias já representam cerca de 40% do varejo, de acordo com dados da Nielsen, um número que aumenta ano a ano. No Brasil, o percentual é inferior aos 8% da América Latina.

Kauth percebeu que não se trata apenas de uma “síndrome de vira-lata” brasileira, e que há muitas dificuldades logísticas e limitações da própria cadeia de suprimentos que dificultam a oferta. Ele e sua equipe focaram no relacionamento com a indústria (cadeia de fornecedores) e no funil de qualidade – se não consegue competir com o produto líder da categoria, está fora.

Além da Qualitá, a Taeq, outra marca própria do GPA, também deve sofrer reformulações. Kauth afirma que os preços de produtos orgânicos ou sem glúten/lactose geralmente são 30% ou 40% mais caros que os tradicionais, mas que no Brasil esse preço chega a ser o triplo.

Disposto a arrumar briga com a indústria tradicional, o GPA mira nos mercados como o europeu, onde as marcas próprias lideram em inovação e os consumidores vêem as marcas próprias com bons olhos.

No Brasil, o momento pode ser propício: com o tradedown para produtos mais baratos por conta da crise, o consumidor pode se dar conta de que não há prejuízo de qualidade em relação à marca líder e manter a marca própria na cesta de compras mesmo em tempos mais prósperos.

Fonte: https://www.foodventures.com.br/post/grupo-p%C3%A3o-de-a%C3%A7%C3%BAcar-quer-destacar-marcas-brasileiras
Previous Auchan lança o primeiro queijo flamengo Bio de marca própria 100% português
Next PORTAS ABERTAS - ABMAPRO

You might also like

Destaques

Grande supermercado holandês adota blockchain para tornar transparente a produção de suco de laranja

A Albert Heijn, a maior cadeia de supermercados da Holanda, revelou que está usando o blockchain para tornar a cadeia de produção de seu suco de laranja transparente, informou a

Destaques

Qualitá Lovers

Neste mês o Grupo Pão de Açúcar / Extra, lançou uma nova campanha institucional de Qualitá: CONECTANDO QUALIDADE COM ECONOMIA. A marca, reconhecida por ter qualidade e preços competitivos, já

Notícias

Pesquisa da Proteste revela que juros de cartões de loja podem chegar a 875%

Fonte: Extra – Economia Cada vez mais populares entre os consumidores, os cartões de lojas não são tão vantajosos como aparentam, segundo uma pesquisa feita pela associação Proteste. Entre 37

Notícias

Marca própria Carrefour lança embalagens com QR Code

Fonte: Mercado & Consumo O Carrefour está lançando para seus produtos novas embalagens com QR Code. A tecnologia dá acesso à plataforma foodtech da companhia, o chamado CyberCook, que contém