Retalhistas aceleram Marca Própria

Fonte: Portugal Textil

O modelo de negócio direto ao consumidor começou por ser adotado pelas marcas digitais. Agora, também as marcas de luxo e desportivas estão a optar por vendas sem intermediários, apostando nos websites e nas redes sociais e dinamizando a cadeia de retalho própria.

Para se combaterem a fuga das marcas das suas lojas e plataformas, alguns grandes armazéns estão a desenvolver o seu portefólio de marcas próprias.

Recentemente, o CEO da Macy’s, Jeff Gennette, indicou, entre outras coisas, a meta de aumentar o peso do negócio de marca própria da retalhista até 40% do total dos produtos que vende. 

Segundo o CEO da Macy’s, esta, como outros, descobriu que a exclusividade é hoje mais importante do que nunca. Num painel moderado pela editora do Retail Dive, Laura Heller, Molly Langenstein, diretora-geral de pronto-a-vestir da Macy’s, apontou as cinco grandes razões do apelo da marca própria: a quebra do tráfego em loja, o crescente interesse do consumidor no canal off price, a aposta da concorrência nas marcas próprias, a força da Amazon no segmento e o boom do modelo direto ao consumidor. Do lado da produção, a velocidade e a flexibilidade serão essenciais para o salto da marca própria, defendeu Tim Zawislack, diretor de comércio eletrónico da empresa israelita Delta Galil (que recentemente comprou a 7 for Mankind à VF Corporation). «É necessário girar bem o time-to-market, caso contrário, não vale a pena investir», especialmente quando se compete com a Amazon, sublinhou. Atualmente, a Amazon tem cerca de 80 marcas próprias, mas não é a única a apostar alto neste jogo. No último ano, a Target lançou mais de uma dúzia de novas marcas de vestuário e decoração e a Walmart divulgou no mês passado o lançamento de quatro novas marcas de moda.

Previous Marca Própria bem trabalhada gera resultados em vendas
Next Supermercados optam por agricultor local para rastrear melhor orgânicos

You might also like

Notícias Internacionais

Marca Aldi já vale mais que a Tesco

Fonte: Grande Consumo   A batalha pela fidelidade dos consumidores entre os principais supermercados e discounters não será ganha através do preço, mas da criação de marcas significantes e diferenciadoras”.

Notícias

Urupês emprega mil pessoas no setor de confecção

Fonte: diariodaregiao.com.br Urupês se torna arranjo produtivo local do setor do jeans e ganha mais acesso a financiamentos e projetos do governo; cidade reúne quase 60 empresas de confecção que

Comércio varejista

Amazon registra Marca Própria de alimentação em Portugal

Por Hipersuper O mercado português é um dos “alvos” da Amazon para 2018. Prova disso é que a gigante norte-americana do retalho online pediu, no final do mês passado, o

Comércio varejista

Intermarché uniformizou em Portugal marca própria. Aumentar para 30% peso da marca própria nas vendas da cadeia é um dos objetivos.

Fonte: Dinheiro Vivo – Por Ana Marcela   O Intermarché investiu 6 milhões na criação de uma marca única para os produtos de marca própria da cadeia em Portugal. Com