Inovação é a arma do varejo para conquistar consumidores

Por Abril Branded Content access_time
1 mar 2018, 18h20

Diante de um mercado em transformação, grandes redes varejistas investem em soluções tecnológicas para facilitar a vida dos clientes

O comércio é uma das atividades mais antigas da história da humanidade: as pessoas saíam de casa rumo aos grandes centros para comprar os produtos que necessitavam, enquanto os vendedores investiam em lojas localizadas em pontos estratégicos, com o objetivo de atender o maior número de consumidores possível. Mas essa fórmula, que funcionou muito bem durante séculos, tem se mostrado cada vez menos eficaz.

“Vivemos uma revolução do consumo, as pessoas não precisam mais sair de casa para comprar. A conveniência é muito mais poderosa do que o preço”, afirma o consultor especializado no setor de varejo Fred Rocha. Segundo ele, agora é o momento do “varejo intangível”, no qual a tecnologia, a transformação digital e as pessoas são o foco das estratégias de negócios. “A inovação faz parte do intangível e tem se mostrado fundamental para facilitar processos, especialmente para o consumidor.”

De acordo com um levantamento divulgado em 2017 pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o investimento do setor privado em pesquisa e desenvolvimento alcançou 38,1 bilhões de reais em 2015, uma prova da necessidade de inovação para a geração de valor nos negócios. Alinhado às tendências do mercado, o GPA, maior grupo varejista e de distribuição do Brasil, vem investindo há décadas em soluções pioneiras que facilitem a vida de seus clientes, mas nos últimos anos tem tratado o assunto como uma prioridade dentro da companhia.

Na prática
Em 2017, o GPA criou uma estrutura corporativa dedicada exclusivamente à inovação. A área é responsável por mapear tendências e oportunidades para o negócio e tem atuado, principalmente, com foco no relacionamento com startups. Entre julho e agosto do ano passado, realizou o primeiro Pitch Day Pão de Açúcar, um concurso para jovens empreendedores. Nessa edição, as startups tinham como desafio desenvolver soluções inovadoras em três categorias: melhoria da experiência do cliente dentro da loja; big data aplicado ao varejo; e otimização do supply chain e melhorias dentro da central de distribuição.

A vencedora foi a Rapiddo, com a proposta de um marketplace que conecta motoboys e carros a pessoas e empresas que necessitam de entregas rápidas para potencializar os seus negócios. A segunda colocação ficou com a Nama, que desenvolveu um chatbot guiado por inteligência artificial capaz de dialogar com os consumidores utilizando uma linguagem natural. O projeto Já Entendi, uma plataforma de aprendizagem por meio de vídeos e jogos, ficou em terceiro lugar. As três startups foram premiadas com um programa de mentoria com executivos do Grupo e estão com projetos em andamento com a empresa.

“Queremos estimular a colaboração e, por meio dela, gerar iniciativas de valor que contribuam com os negócios e reforcem nosso papel de agente transformador”, afirma Illan Israel, head de inovação do GPA, destacando que todas as iniciativas realizadas pela companhia são pensadas, direta ou indiretamente, para o benefício dos clientes da rede. Para estimular a cultura de inovação, foi inaugurado o GPA Lab, um espaço construído na sede do Grupo em São Paulo para receber reuniões, palestras e treinamentos internos e externos. A área de inovação também atua para facilitar processos e projetos das unidades de negócios, fazendo a interface entre a estratégia corporativa e a prática.

Pioneiro na comercialização de produtos de marca própria e na criação de programa de fidelidade no varejo há quase 20 anos, o GPA tem a inovação em seu DNA. O Meu Desconto lidera os destaques entre as iniciativas recentes realizadas pela companhia, comprovando a eficácia da estratégia omnicanal e do uso da base de dados para fidelização por meio da personalização de ofertas aos clientes Pão de Açúcar Mais e Clube Extra. Os aplicativos alcançaram 4 milhões de downloads em apenas sete meses e a base de clientes cadastrados saltou de 12 milhões para 14 milhões no fim de 2017.

Outra novidade foi o Caixa Express, exclusivo para os clientes fidelidade do Pão de Açúcar. A solução, já implementada em 95% das lojas da rede, permite o agendamento prévio de horário para atendimento nos caixas das lojas, trazendo mais comodidade ao cliente. Também foi lançada a Lista de Compras Personalizada, com a qual o cliente pode ter acesso aos produtos que compra regularmente, organizados em uma lista dinâmica, facilitando ainda mais suas compras nas lojas e no e-commerce alimentar.

Para os próximos anos, o GPA pretende seguir ditando as tendências do setor varejista no Brasil – sempre em busca de novas soluções para seus consumidores.

Previous Barras, tabletes e bombons vão dar o tom da Páscoa nos supermercados
Next Bahia rescinde com a Umbro e terá marca própria em agosto

You might also like

Distribuidores de veículos e peças

Valtra lança linha de lubrificantes para seus equipamentos em parceria com a Shell

Fonte: Julia Boarini A Valtra, empresa global de fabricação de máquinas agrícolas, lança linha especial de lubrificantes de marca própria para seus tratores, colheitadeiras e colhedoras em parceria com a

Notícias

Espírito Empreendedor: como Sidney Oliveira transformou uma pequena farmácia em uma grande rede

Fonte: InfoMoney Sidney Oliveira transformou sua pequena farmácia em uma empresa que já conta com 1,5 mil colaboradores. Não há planos de lanças nova bandeira nem de adquirir outras empresas.

Notícias ABMAPRO

Produto de marca própria é excelente opção para o final do ano

Os produtos de marca própria estão se tornando cada vez mais presentes em carrinhos e gôndolas de supermercados. E nesse final de ano vira uma excelente opção para quem quer

Química e petroquímica

Economia aquecida estimulará vendas de produtos de limpeza

Fonte: DCI – Por MARCELA CAETANO Empresas estão otimistas e apostam em itens de melhor custo-benefício, além de múltiplas utilidades, para conquistar o consumidor e ampliar a participação de mercado