Rede italiana Coop reduz uso de plástico

ROMA, 24 JUL (ANSA) – A rede de supermercados italiana Coop anunciou nesta segunda-feira (23) medidas para reduzir o uso de plástico “virgem” nas embalagens dos produtos de sua marca própria. O objetivo é instituir, até 2025, a utilização de 6,4 mil toneladas anuais de plástico reciclado no lugar da matéria-prima nova.

A empresa aderiu às exigências da Comissão Europeia que trata, do meio ambiente, substituindo, por exemplo, o plástico convencional por materiais biodegradáveis e compostáveis em produtos da rede. É o que já acontece com os pratos, copos e hastes flexíveis com algodão.

A empresa também prevê alcançar até 2022 metas estabelecidas pela comissão que terão cumprimento obrigatório somente em 2030.

Em até quatro anos, todos os produtos da marca Coop, que movimentam três bilhões de euros por ano, terão embalagens recicláveis, compostáveis ou reutilizáveis, enquanto os da linha Vivi Verde, dedicada ao cuidado com o meio ambiente, já atenderão à exigência no ano que vem. (ANSA)

Previous Como a Amazon está vencendo o jogo do varejo online. De novo
Next Mundo Verde investirá mais em marca própria

You might also like

Notícias

Raia Drogasil compra a Onofre

Fonte: Brazil Journal – Por Geraldo Samor   A Raia Drogasil fechou um acordo para comprar a Onofre, uma aquisição oportunista que acrescenta 50 lojas à maior rede de drogarias

Bebidas e fumo

Coco Bambu quer vender 20 mil cervejas mês

Afrânio Barreira, o sócio-majoritário da rede de restaurantes Coco Bambu, diz que a cerveja de marca própria desenvolvida com a Wäls (Ambev) já está em todas as 31 lojas  –

Notícias

Marcas Próprias conquistaram 2,2 milhões de novos consumidores

Elas já são adquiridas por 1 em cada 3 lares brasileiros Ao conquistar mais de 2,2 milhões de novos compradores no primeiro semestre deste ano, as marcas próprias elevaram sua penetração

Alimentos

A aposta frustada de Warren Buffett

No ano passado, empresa de Buffett, Berkshire Hathaway, perdeu US$ 2,7 bilhões com a Kraft Heinz; para ele, companhia pagou em “excesso” ao assumir dívida de gigante. O megainvestidor usou