Marca própria e o futuro do varejo

Marca própria e o futuro do varejo

Fonte: Portal NoVarejo – Por: Jade Gonçalves Castilho

marca própria, caracterizada por produtos vendidos exclusivamente pela organização que detém seu controle, se tornou uma estratégia no varejo para grupos como WalmartPão de Açúcar e Carrefour.

Muitos dos itens de marcas próprias têm tomado espaço nas prateleiras e se uniram aos produtos das indústrias líderes de mercado. O conceito de marca própria como ponto de convergência entre o varejo e a indústria foi tema de um painel durante o Retail Meeting Days, evento realizado pelo Grupo Padrão.

A marca própria é uma terceirização da mão de obra da indústria, de acordo com Allan Gate, Diretor Comercial de marca própria do Carrefour. O investimento em marca própria não evoluiu muito no Brasil. Na Europa, por exemplo, o mercado nesse setor ocupa 30% da fatia total de vendas do varejo.

“No Brasil, é um mercado muito pulverizado e a marca própria tem uma participação de 11, 12% somente. A ideia é sempre evoluir nessa questão e de que a embalagem da marca própria passe ao consumidor o que a gente tem de diferencial para o consumidor, quais são os diferenciais. O ideal é fazer com que a gente retenha esse cliente, que ele não vá para outro varejista”, comenta Allan.

marca própria

Em 2025, a previsão é que na Europa 50% do que será comercializado sejam produtos vindos de marcas próprias, segundo Neide Montesano, Diretora da Montesano Indústria.

“Varejo e indústria querem reter, fidelizar o seu consumidor e todo mundo tem que trabalhar nisso. Fazer um produto que efetivamente entregue a promessa. A indústria é o começo de tudo e o varejo vai colocar esse produto ou serviço a disposição do consumidor. É um projeto junto, criado junto e para atender o consumidor junto”, comenta a executiva.

Com 300 mil produtos diferentes cadastrados de todos os cantos do país, a Mobly é uma plataforma de e-commerce de móveis. A convergência entre os produtos e a marca própria é um dos referenciais do negócio, afirma Adriana Mota de Avó, Customer Service Director da empresa.

“O que eu entrego para a indústria? Entrego a capacidade de eles chegarem a qualquer lugar do país da maneira mais fácil possível. Tenho conhecimento do que o cliente precisa. Ouvimos o cliente, sabemos que mudando detalhes eu geraria mais satisfação, mais fidelização”, conta Adriana.

marca própria

Foto Unsplash

Convergência entre indústria e varejo passa pela inovação

As marcas próprias são, segundo a Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização (Abmapro), todo serviço ou produto fabricado, beneficiado, processado e embalado por uma organização que detém o controle e distribuição da marca. Mas como inovar e convergir o lançamento de uma marca própria de um varejista com a indústria?

Allan destaca que é preciso oferecer produtos diferentes dos da indústria. “A marca própria é fidelidade, é preciso fazer cada vez mais produtos diferentes da indústria, do que já é vendido no mercado”, afirma.

Para Neide Montesano, a marca própria é o que vai sustentar o varejo daqui para frente e, com isso, o maior desafio é inovar.

“Nossa veia é inovação. O mundo mudou, as pessoas querem e precisam e a gente tem que entregar a questão do respeito transformado em produto. Não vendemos mais produtos, mas serviço. O que nós venderemos serão serviços, sempre respeitando o ser e o meio para conseguir entregar aquilo que o cliente precisa”, pontua.

Previous Walgreens faz mudanças em marcas próprias para impulsionar vendas
Next Não perca o 9º Congresso Brasileiro de Marcas Próprias e Terceirização - Abmapro

You might also like

Eventos

17.08 – Portas Abertas: Palestra Você Protagonista com Luciano Luna

Participe do nosso encontro Portas Abertas do mês de maio! Café com a Presidente Networking Experiencia compartilhada Parcerias 17.08.18 as 9h na sede da Abmapro para mais informações ligue ou

Comércio varejista

Loja online de móveis MadeiraMadeira vai lançar marca própria

A MadeiraMadeira – startup curitibana que conta com produtos de parceiros – usará os R$ 110 milhões investidos pelo SoftBank na nova empreitada A loja online de móveis MadeiraMadeira, que

Bancos, finanças e seguradoras

Pesquisa da Proteste revela que juros de cartões de loja podem chegar a 875%

Fonte: Extra – Economia Cada vez mais populares entre os consumidores, os cartões de lojas não são tão vantajosos como aparentam, segundo uma pesquisa feita pela associação Proteste. Entre 37

Comércio varejista

“Uma loja por semana”: o plano da agressiva e popular Miniso para o Brasil

Fonte: Exame – Por Mariana Fonseca A rede de fast fashion com design japonês (mas de origem chinesa) irá expandir bastante pelo país, com a ajuda do franqueamento São Paulo