Marca própria é um dos vencedores do contexto de pandemia

Marca própria é um dos vencedores do contexto de pandemia

A pandemia de Covid-19 trouxe vários desafios para fabricantes e retalhistas, mas também criou novas oportunidades, em algumas áreas, com a marca própria a posicionar-se como uma potencial vencedora deste período, onde os consumidores optaram por visitar menos lojas e consumir mais em casa.

Segundo a IGD, os confinamentos levaram ao teletrabalho e este criou novas oportunidades na área dos snacks. Os novos comportamentos refletiram-se em várias categorias, com os retalhistas a apostarem na inovação para destacarem as suas marcas, preparando-se para o esperado ambiente mais competitivo após se dissipar o impacto inicial da pandemia.

Os dados do estudo ShopperVista mostram que a perceção dos produtos de marca própria cresceu, em 2020. A título de exemplo, na Grã-Bretanha, 71% dos shoppers manifestou-se muito satisfeito com a qualidade dos produtos de marca própria, com 66% a indicar confiar tanto nestes produtos como nos de marca de fabricante.

Ativação

A IGD destaca que a evolução dos comportamentos de compra, durante os confinamentos e restrições implementadas durante a pandemia, representou uma oportunidade real para fazer crescer a notoriedade e a experimentação dos produtos de marca de distribuição.

Para capitalizar este contexto, o retalho apostou na melhoria dos produtos e no packaging para se destacarem nas prateleiras e ativou as suas marcas de novas formas quer nas lojas, quer online, de modo a aumentar a sua visibilidade junto dos shoppers.

Inovações

Foram cinco os principais vetores de inovação na marca própria. Em todo o continente europeu, houve um interesse acrescido nas dietas vegan e flexitariana e, em consequência, nas alternativas à carne. Para responder a esta procura, os retalhistas introduziram novas gamas de marca própria “plant based”, com a IGD a destacar a gama Powered by Plants do Continente.

Outro dos vetores de inovação das marcas da distribuição foi a sustentabilidade, através de uma maior transparência, em primeiro lugar, e da sensibilização e educação dos shoppers sobre o seu impacto ambiental, por outro lado. A Albert Heijn, por exemplo, desde o terceiro trimestre de 2019 que oferece aos consumidores um mapa online do processamento dos produtos. Arrancou com 1.200 localizações e permite aos shoppers pesquisarem os 11 mil produtos de marca própria por país, tipologia e fornecedor.

Por outro lado, para ajudar o consumidor a entender o impacto ambiental das suas escolhas, a Colruyt introduziu o Eco-Score na sua gama Boni Selection. Este sistema de avaliação considera 16 aspetos de impacto ambiental.

O terceiro vetor de inovação incidiu no apoio à produção local e às pequenas e médias empresas. Por exemplo, a SPAR Áustria lançou uma nova gama de marca própria que identifica o produtor local na embalagem, até para destacar a regionalidade de alguns produtos.

As marcas próprias procuraram também beneficiar do crescimento do online. Os retalhistas aumentaram a sua capacidade de responder às encomendas, contribuindo para que este canal tivesse crescido a sua quota, pelas contas da IGD, para 3,1% de todas as vendas na Europa, em 2020 (em 2019, era 2,2%). Nesse sentido, os retalhistas também destacaram as suas marcas nas lojas online, acrescentando características dos produtos, melhorando as imagens e lançando ‘shop-in-shops’ para determinadas marcas, assim como recorrendo às redes sociais para potenciar o “engagement” com os consumidores.

Finalmente, outro dos canais de desenvolvimento foi a proximidade. Desde o início da pandemia, as vendas de congelados e de bebidas alcoólicas nas lojas de proximidade aumentaram significativamente em muitos mercados. De acordo com a IGD, para responder a esta procura, e numa perspetiva de curto prazo, os retalhistas expandiram o espaço de vendas dedicado a estas categorias. No longo prazo, estão a explorar novas formas de sustentar o crescimento nestas áreas, usando as marcas próprias para se diferenciarem da concorrência e potenciarem a fidelização.

Perspetivas

Dado o contexto económico de muitos países, os retalhistas podem continuar a atrair novos compradores para as suas marcas próprias, quer destacando a sua maior acessibilidade, em termos de preço, quer os seus benefícios. Contudo, nota a IGD, terão de continuar a manter os seus investimentos nesta área, de modo a converter uma oportunidade de curto prazo em fidelização a longo prazo.

Fonte: https://grandeconsumo.com/marca-propria-e-um-dos-vencedores-do-contexto-de-pandemia

Previous HAPPY HOUR - ABMAPRO
Next Marcas próprias ameaçam gigantes da indústria

You might also like

Eventos

1ª Semana Internacional da Marca Própria e Terceirização

10º Congresso da Marca Própria e Terceirização É com imensa satisfação que convidamos a participar do maior evento do mundo de Marca Própria, que acontecerá de 16 a 19 de

Bancos, finanças e seguradoras

Pesquisa da Proteste revela que juros de cartões de loja podem chegar a 875%

Fonte: Extra – Economia Cada vez mais populares entre os consumidores, os cartões de lojas não são tão vantajosos como aparentam, segundo uma pesquisa feita pela associação Proteste. Entre 37

Destaques

Famílias voltam para crise e trocam marcas para economizar

Fonte: O Globo – Por Ana Paula Ribeiro Pesquisa identifica 15 milhões de lares que passaram a ter dificuldades financeiras este ano. Parcela menor, de 12 milhões, saiu do aperto

Notícias

Evino Aposta em Drinks com Vinho em Latas e Lança Nova Marca

O Primeiro Drink em Lata Lançado pela Evino é o Vibra! Bellini A Evino anuncia o lançamento da Vibra!Drinks, marca drinks com vinho em lata prontos para beber. A novidade chega depois do lançamento, em 2020,