Como será o varejo em 2026?

Como será o varejo em 2026?

Como você compra suas coisas atualmente? Você entra no seu carro e sai fazendo pedidos para um assiste virtual ou ainda “digita com os dedos” em seu smartphone para comprar algo?

 

Desde o ano passado, o comércio eletrônico aumentou 14%, enquanto as vendas de tijolo e argamassa caíram 3,5% no mesmo período. O varejo, e principalmente os shoppings centers, precisam entrar imediatamente na economia da experiência. Na próxima década, a personalização impulsionada pela AI (Inteligência Artificial), as interfaces AR (Realidade Aumentada) / VR (Realidade Virtual) e os ambientes inteligentes orientados a sensores, transformarão o “shopping center” atual em uma plataforma invisível e crescente para educação, entretenimento e novos modelos de negócios que nunca imaginamos.

Como exemplo disso tudo, vamos imaginar o seguinte. É março de 2026, um dia frio e chuvoso em Boston. Você saiu para almoçar com seus amigos, mas esqueceu seu casaco. No trajeto para o centro da cidade, em seu Uber Autônomo, uma rápida pesquisa on-line revela uma loja que vende aquelas novas jaquetas de couro veganas ecológicas de que você já ouviu falar tanto – um couro produzido a partir de células-tronco, sem vacas prejudicadas pelo caminho.

Também não é necessário esperar na fila para pagar pelo item. Uma variedade de câmeras e sensores rastreia você e a jaqueta; assim, quando você sai pela porta, o preço é deduzido instantaneamente da sua carteira virtual – ou de criptomoedas. Como esses sensores sabem que esta é sua primeira vez na loja, eles tentam seduzi-lo a uma segunda rodada de compras, enviando uma mensagem de texto com um cupom digital que reduzirá 25% da sua próxima compra.

Enquanto a transação é concluída, os sensores embutidos no rack onde sua jaqueta estava pendurada, alertam a AI da loja. Instantaneamente, a AI pede outra jaqueta ao fabricante e envia uma mensagem para um funcionário para reabastecer o rack que agora está vazio.

Mas você não era o único que estava de olho no produto. Por acaso, esta é a terceira jaqueta vegana de couro vendida em dois dias. O sistema de controle de estoque, por sua vez, identifica o padrão e ordena algumas jaquetas de backup em tamanhos populares, notificando a AI de marketing da empresa para acompanhar a tendência.

O que é notável é que o cenário acima não permanece tão distante. De fato, requer pouco além do impacto cada vez maior da IoT (Internet das Coisas) em nosso mundo, uma vez que crescerá em importância quase automaticamente à medida que mais e mais dispositivos se conectam à internet.

Fonte: Epoca Negócios – Por Juan Pablo D. Boeira

Previous Impulsionadas pela Black Friday, vendas no varejo crescem 5,2% em novembro, aponta ICVA
Next Decathlon lança IMVISO, sua marca especializada em futsal

You might also like

Lançamentos

Grupo DIA lança 40 marcas próprias (feitas em Portugal) até ao fim de 2021

«A insígnia Minipreço sempre foi muito conhecida pela qualidade da sua marca própria», disse esta tarde Ricardo Torres Assunção, director de Marketing e Comunicação da DIA Portugal, numa conversa com

Comércio varejista

Lidl deixa de ter sacos de plástico para transporte de compras

Além do fim do plástico, o Lidl afirma que “até ao final de 2020, as embalagens de todos os artigos de marca própria, que representam cerca de 70% dos seus

Notícias

6 tendências mundiais para o mercado varejista em 2019

Por  Karina Rodrigues Reunindo os principais varejistas do território nacional e internacional em Nova Iorque, em janeiro, a NRF 2019, maior evento de varejo do mundo, apresentou tendências que vão

Destaques

GPA une operações virtual e física de olho em maior rentabilidade do Extra

Fonte: DCI – Por João Vicente Ribeiro   Depois da fase de conversão de grandes unidades para a bandeira de atacarejo Assaí, varejista vê espaço para fidelizar cliente e otimizar