E-Commerce: Saúde e Cosméticos Ultrapassa Moda e é o que mais vende no Brasil

Fonte: Exame – Por Dino

A 38ª edição do Webshoppers, o maior estudo sobre E-commerce do Brasil, mostrou que o mercado digital nacional teve algumas alterações importantes. A principal delas é a chegada do segmento Saúde, Cosméticos e Perfumaria ao topo do ranking de pedidos virtuais no primeiro semestre de 2018. Quando comparado ao mesmo período do ano passado, o segmento teve crescimento de 33% no volume de encomendas.

Para o especialista Bruno de Oliveira, fundador do Ecommerce na Prática, a tendência é que o setor continue a se desenvolver nos próximos anos: “Hoje, vivemos a geração saúde. A preocupação com o corpo e a mente é cada vez maior. Além disso, existe um movimento crescente de desmistificação dos cosméticos masculinos. Com a maior participação dos homens na compra de produtos relacionados a saúde e bem-estar, esse mercado só tem a crescer”.

Mesmo empresas criadas há pouco tempo já conseguem perceber o enorme potencial do setor de saúde. A Nature Therapy, que trabalha com cosméticos, beleza e perfumaria, foi criada em maio deste ano e tem conseguido se destacar. O diferencial é a criação de conteúdo exclusivo para seu público-alvo. “Nós temos um blog, com conteúdo de valor para informar e auxiliar quem nos acompanha, além de trabalhar com as redes sociais. Esse engajamento gera fidelização dos clientes, o que garante novos pedidos e receita recorrente”, diz a fundadora da empresa, Elisa Novaes Cancella.

Essa estratégia, segundo Bruno de Oliveira, é crucial para o sucesso de um E-commerce focado em saúde. “Além de vender produtos de qualidade, é importante a criação de uma audiência engajada e fiel à marca. Há muitos produtos semelhantes no mercado, mas as pequenas e médias empresas conseguem se destacar ao se estabelecerem como autoridade no assunto. O público quer comprar de marcas nas quais confiam”, completa.

Além de Saúde, Moda e Acessórios (14,5%), Casa e Decoração (10,9%) e Eletrodomésticos (9,8%) são as categorias que mais receberam pedidos online no primeiro semestre. Em seguida, Telefonia e Celulares aparece empatada com Esporte e Lazer, representando 7,7% do volume de encomendas cada.

Em relação ao faturamento, o estudo manteve a previsão de crescimento do E-commerce nacional para 12,1% em 2018. Até o momento, foram movimentados R$23,6 bilhões. A expectativa é que o comércio digital ultrapasse a marca de R$53 bilhões até o fim do ano. O segmento que faturou mais no primeiro semestre foi Telefonia e Celulares, com 18,9%. O pódio é completo por Eletrodomésticos (17,9%) e Eletrônicos (11,2%) devido aos tickets médios mais altos.

Mesmo com o maior número de pedidos, Saúde ocupa a sexta posição no ranking dos maiores faturamentos, com 6,2%.  Entretanto, a expectativa é o crescimento exponencial continue nos próximos anos. Em comparação ao mesmo período do ano passado, Saúde, Cosméticos e Perfumaria faturou 45% a mais.

Previous Coop lança ação para elevar representatividade de marca própria
Next Mundo Verde - Rede de 400 lojas de alimentos saudáveis aposta na marca própria e RS lidera vendas

You might also like

Destaques

Mundo Verde investirá mais em marca própria

Fonte: DCI – Por JOÃO VICENTE RIBEIRO   Expectativa da rede varejista de produtos naturais é que metade dos itens comercializados sejam exclusivos; vending machine e operações para além dos shoppings

Notícias

Walmart Brasil instala caixas de autoatendimento em unidade de Alphaville

Por Imprensa Mercado & Consumo O Walmart Brasil deu início à instalação de caixas de autoatendimento em hipermercados e supermercados pelo país, como parte do projeto de reinvenção de lojas, cujo

Notícias Internacionais

Artigos do Lidl passam a ser confeccionados com ovos de solo

O Lidl Portugal já tinha abolido a comercialização de ovos provenientes de galinhas criadas em gaiolas. Agora, elimina também a utilização deste tipo de ovos na confecção dos seus produtos

Alimentos

Amazon registra Marca Própria de alimentação em Portugal

Por Hipersuper O mercado português é um dos “alvos” da Amazon para 2018. Prova disso é que a gigante norte-americana do retalho online pediu, no final do mês passado, o