Cooperativas agropecuárias avançam cada vez mais em direção ao varejo

Por meio de marcas próprias de alimentos prontos, elas passaram a competir de igual para igual com as multinacionais

Fonte: InfoMoney 06-05-2016

 

SÃO PAULO – As cooperativas agropecuárias estão avançando cada vez mais em direção ao varejo, especialmente por meio de marcas próprias de alimentos prontos para consumo. A constatação fica latente após um giro pela feira Apas, principal evento do setor supermercadista do País, que se encerrou na quinta-feira (05), em São Paulo (SP). Pelos corredores da feira, lado a lado com estandes das multinacionais, estiveram lá presentes grandes cooperativas, como, por exemplo, Coamo, Copacol, Aurora, Frimesa, Lar, Confepar, entre outras. Foco no consumidor final e olho nas exportações de produtos prontos são as diretrizes das cooperativas, de acordo com executivos do setor.

 

Segundo Cláudio Fileto Barros, gerente comercial e de marketing da Confepar, especializada no segmento de lácteos, o avanço das cooperativas ao varejo, com produtos beneficiados e marcas próprias, é uma tendência que ganha cada vez mais corpo.

 

“As cooperativas estão saindo do regionalismo, do comércio meramente local de suas respectivas regiões, passando a romper fronteiras comerciais”, diz Barros. “E as marcas próprias trazem um reconhecimento da qualidade dos produtos das cooperativas junto ao consumidor”, acrescenta.

 

De acordo com Valdemir Paulino dos Santos, gerente comercial da Copacol, que transforma aves, suínos e peixes em carnes prontas, as cooperativas estão num processo cada vez mais acentuado de verticalização de seus negócios, atuando do campo à mesa.

 

“Jogamos de igual para igual em qualidade, com os produtos das múltis nas gôndolas dos supermercados”, ressalta. “O produtor rural, o cooperado vem passando por um forte processo de profissionalização, investindo em boas práticas, certificações, na modernização do seu negócio, e passou a entender que ele não cria frango ou porco, o que ele faz é carne para o consumidor.”

 

Alcir José Goldoni, superintendente comercial da Coamo, gigante do Paraná – Estado mais forte no cooperativismo -, o avanço das cooperativas agropecuárias ao varejo é um caminho natural. A Coamo é especializada em beneficiar grãos, leite, café verde, transformando-os em alimentos prontos. Segundo Goldoni, já está bem enraizado na mente do produtor/cooperado que o seu trabalho tem como cliente final o consumidor, seja ele doméstico e/ou de fora do País. “Isso faz com que o cuidado para a fabricação de um alimento seguro e de qualidade comece lá no campo, desde a escolha do melhor insumo.”

 

Cooperativismo como diferencial mercadológico

 

Com a proliferação de diversas certificações, relacionadas, por exemplo, à sustentabilidade, comércio local, origem dos produtos, o mercado também debate se um produto advindo do cooperativismo – que carrega toda uma tradição relativa à responsabilidade social – poderia ser objeto de um selo capaz de se transformar em um diferencial para a tomada de decisão do consumidor. Barros e Paulino são céticos com relação a isso, mas Goldoni enxerga de maneira otimista, usando o próprio exemplo dos produtos da Coamo, que são exportados para a Europa. “Existe sim mercado para isso. Por lá, por exemplo, o consumidor valoriza cada vez mais a originação do alimento.”

Previous Amazon deve lançar marcas próprias para venda de produtos alimentícios
Next ABAD realiza encontro da cadeia de abastecimento entre os dias 8 e 10 de agosto em São Paulo-SP

You might also like

Destaques

DMCard adota QR Code na implantação de seu cartão private label digital

Por Redação E-Commerce News No início da década, o QR Code (Quick Response Code) começou a ser considerado uma tecnologia obsoleta devido à baixíssima adesão. No entanto, para viabilizar os

Notícias

Produto de marca própria é excelente opção para o final do ano

Os produtos de marca própria estão se tornando cada vez mais presentes em carrinhos e gôndolas de supermercados. E nesse final de ano vira uma excelente opção para quem quer

Alimentos

Orgânicos devem faturar 20% mais este ano

Fonte: IsteÉ O faturamento do setor de alimentos orgânicos alcançou R$ 3,5 bilhões em 2017 no mercado interno e mais US$ 210 milhões em exportações, números 20% superiores aos do

Comércio varejista

“Uma loja por semana”: o plano da agressiva e popular Miniso para o Brasil

Fonte: Exame – Por Mariana Fonseca A rede de fast fashion com design japonês (mas de origem chinesa) irá expandir bastante pelo país, com a ajuda do franqueamento São Paulo