Amazon deve lançar marcas próprias para venda de produtos alimentícios

Varejista online já vendia alimentos de outras companhias, porém é a primeira vez que cria marcas exclusivas para vendê-las no próprio e-commerce

Fonte: IDG Now

16/05/2016

Ao que tudo indica, a gigante do varejo online Amazon também entrará no mercado alimentício com marcas próprias. A expectativa é que elas sejam lançadas oficialmente até o final do mês de maio, segundo informações do Wall Street Journal.

A varejista já vende produtos alimentícios de outras marcas há pelo menos dez anos. Mas é a primeira vez que a companhia venderá alimentos sob marcas das quais detém, ou seja, recebendo todo lucro. De acordo com a Tech Insider, sob os nomes de “Happy Belly”, “Wickedly Prime” e “Mama Bear”, a Amazon venderá desde nozes, chá a doces e comidas para bebês.

Não é a primeira vez que a Amazon cria marcas próprias para vender produtos dentro do próprio e-commerce. A varejista já criou marcas exclusivas para vender desde papel higiênico a baterias.

Vale ressaltar que ao entrar no mercado alimentício, a Amazon pode conquistar uma fatia considerável de um mercado global que, em 2015, foi de US$ 2,14 trilhões de dólares, segundo portal de estatísticas online Statista.

No início desse ano, a Amazon também passou a apostar no varejo de moda, criando sete marcas de roupas para vender no próprio site.

 

Previous II Encontro de Grandes Líderes: executivos do varejo e indústria ressaltam qualidade da programação
Next Cooperativas agropecuárias avançam cada vez mais em direção ao varejo

You might also like

Blog

ABMAPRO elege nova diretoria para o quadriênio 2017/2020

A ABMAPRO (Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização) elegeu no último dia 22 de novembro sua nova diretoria para os próximos quatro anos (2017 a 2020). A posse ocorrerá

Comércio varejista

Vendas de cosméticos no canal farma crescem 7% em 2017 e consolidam tendência do setor

Fonte: Brazil Beauty News – Por Daniela Belli Segundo a Abrafarma, itens de higiene pessoal e cosméticos contabilizaram R$ 14,17 bilhões em 2017 e já representam 32% do volume total

Comércio varejista

Supermercados optam por agricultor local para rastrear melhor orgânicos

Fonte: DCI – Por João Vicente Ribeiro Varejo de todos os portes monitora cada vez mais o trajeto dos alimentos e foca no desenvolvimento de marcas próprias de produtos livres de

Madeira, móveis e papel

Com novo investidor, a Westwing, loja de moveis on-line vai investir em produtos para expandir

A Westwing, startup de venda de móveis e artigos de decoração pela internet, se prepara para uma expansão e transformação em seu modelo de negócio. O impulso vem de um